segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Amálgama x Resina: Devo trocar minha restauração?

Muitos pacientes chegam ao dentista com restaurações de amálgama (ou conhecida como "platina") de mais de 10 anos, e ficam na dúvida se devem ou não trocá-la por resina.


Julia Roberts possui restaurações em amálgama, consegue ver?
A resina é um material recente, que através dos últimos anos tem sido melhorada, utiliza materiais e técnicas que exigem menos desgaste do dente e maior aderência do material. O amálgama, que é nada mais que uma liga de metais que contém mercúrio, exige um preparo no dente que permite o 'travamento' do material ao dente. Mas não se assuste, o mercúrio contido numa restauração de amálgama não faz tão mal quanto o mercúrio que pode ser encontrado em peixes do mar, ou seja, é praticamente um perigo nulo.

Quase imperceptíveis.
Conhecendo os materiais você já deve estar criando uma opinião sobre a troca da restauração, certo?

A questão é: 
  • necessidade, muitas vezes indicamos a troca de uma restauração por apresentar infiltração ou fratura;
  • estética, restaurações de amálgama normalmente são realizadas em dentes posteriores, ou seja, os últimos dentes, então nem com um sorrisão forçado alguém enxergará sua restauração.
Esses dois fatores são levados em conta sempre na decisão da troca de qualquer restauração. Uma restauração de amálgama bem feita, com o passar dos anos ficará melhor, uma restauração de resina com um bom material poderá durar vários anos dependendo dos cuidados do paciente.

Para melhor decidir, que tal marcar uma consulta e verificar se há necessidade de trocar suas restaurações?